Bibliotecas escolares e seus possíveis impactos

Alunos na 1º Bienal do livro do Amazonas
Alunos da rede pública de ensino em visita a 1º Bienal do livro do Amazonas.

compartilhe o post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

O dia 24/05/2020, último domingo, foi o prazo para o cumprimento da LEI Nº 12.244 DE 24 DE MAIO DE 2010, Lei da Universalização das Bibliotecas Escolares, ou seja, a Lei que torna obrigatória a presença de bibliotecas em todas as escolas do país. Não entrarei no mérito da discussão da Lei, nem nas implicações biblioteconômicas, mas sim falarei da importância das bibliotecas escolares (ao meu ver e de acordo com minha experiência).

A biblioteca escolar é muitas vezes o primeiro contato dos alunos, em especial de escolas públicas, com o universo dos livros, com um equipamento cultural, e esse primeiro contato deve ser muito acolhedor.

A biblioteca escolar, como sempre defendo, é um espaço de possibilidade para os bibliotecários transformarem vidas, aprenderem novas habilidades e crescerem pessoal e profissionalmente, e é um espaço de oportunidades para nossos estudantes terem acesso a livros, a leitura, a informação, a atividades culturais. Oportunidade essa que possibilitará o sonhar com um futuro melhor, o acesso a outros mundos, o despertar para o prazer na leitura e consequentemente o senso crítico.

É por essas e outras razões que ela se faz tão importante, e é também por isso que talvez seja desvalorizada e não contemplada em nossas políticas públicas. Afinal, qual o interesse de se ter uma sociedade mais consciente dos seus direitos e deveres? Para que ter pessoas mais dispostas a cobrarem por uma vida mais justa? Qual o interesse em semear os livros e fazer o povo pensar?

Bom, escrevo porque eu já vi alunos serem expulsos da sala de aula e sentirem-se acolhidos na biblioteca, já vi aluno taxado de “capeta” se concentrar a tal ponto em uma leitura que esquecia o mundo, vi muitos alunos que se tornaram “ratos de biblioteca” acessarem a universidade e poderem ter uma vida mais digna, vi alunos querendo ser bibliotecários e tantas outras coisas. 

Vi alunos desenvolvendo habilidade de contar histórias, vi alunos aperfeiçoando sua escrita, vi alunos descobrindo seus talentos para as artes, vi alunos que nunca tinham saído do seu bairro poderem ir a uma feira do livro e dizerem que aquele foi o melhor dia da sua vida! 

Vi alunos que não tinham sonhos profissionais querendo se tornar prefeito – com o intuito de trazer coisas boas para sua comunidade -, ouvi alunos relatarem o quão duras e sofridas eram suas vidas – não dessa forma -, mas dizendo que a escola era um ambiente legal porque dividia a casa de 2 cômodos com 8 pessoas ou porque na escola tinha uma refeição ou, ainda, porque seus pais estavam presos e os familiares não os tratavam bem… Eu vi muitos alunos com a possibilidade de sair de uma vida miserável, nem que fosse só no mundo dos livros! 

É por essas e outras razões que eu defendo a biblioteca escolar!

É por essas e outras que eu saí da biblioteca escolar, mas ela não saiu de mim! 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais para explorar

Projeto

Kuau

A Kuau Experiências Formativas é um empreendimento voltado para cursos, treinamentos, palestras e eventos na área literária. Acreditamos que a leitura traz vários benefícios, tanto

Obras com potencial terapêutico
Biblioterapia

A literatura que cuida – Biblioterapia

Algum livro ou mesmo um pequeno texto já falou profundamente com você? Você já ouviu uma história e pensou “era tudo que eu precisava ouvir!”?